Coronavírus e Covid 19

Desde que a pandemia foi decretada pela OMS em março de 2020, o medo começou a ocupar um lugar importante em nossa vida. Medos, inseguranças, angustia, ansiedade… As notícias de que não tinha cura, foi algo assustador, e as notícias das TVs nos assustavam mais a cada dia. Mas o TEMPO foi elucidando muita coisa, fomos aprendendo mais e mais. E hoje o panorama é bem diferente e mais animador.

Uma coisa importante que precisa ficar claro é que nem todo mundo que tem o coronavírus, tem a Covid, uma pessoa pode ter o coronavírus, transmití-lo a outras pessoas e não apresentar sintomas, ou seja, não ter a doença covid. Por isto é tão importante que as pessoas continuem a usar máscaras e a tomar todos os cuidados tão orientados e divulgados.

A Covid pode dar sintomas leves , moderados, graves, ou muito graves podendo evoluir para óbito. Não se sabe ao certo porque que tem pessoas que evoluem mal, claro que tem a ver com o sistema imunológico de cada um e as comorbidades (outras doenças) que a pessoa possa ter, mas não é só isto, pois estamos deparando com pessoas jovens , aparentemente sadias, sem nenhuma comorbidade aparente e que evoluem mal e morrem. Estão suspeitando que algo genético possa estar envolvido. Ainda temos muito que compreender sobre este vírus.

A covid é insidiosa, começa com 1 ou mais sintomas e tem uma EVOLUÇÃO, as vezes lenta, as vezes mais rápidamente. Um médico atento, pode suspeitar do diagnóstico no segundo ou  terceiro dia e solicitar o exame correto e iniciar logo o tratamento, acompanhando a evolução.

Hoje se sabe que a doença tem 3 fases, e tratar precocemente na primeira fase onde acontece a replicação viral é muito importante.

Sim, existe tratamento para COVID, e são vários, várias opções. Temos medicamentos Homeopáticos, fitoterápicos, temos ozonioterapia, suplementos de vitaminas e sais minerais, temos até medicamentos alopáticos que estão se  mostrando muito eficazes, como a invermectina e a hidroxicloroquina. Na verdade são tantas opções , que a arte esta em saber escolher a melhor opção para cada paciente e para cada momento.

Acompanhar o paciente no dia a dia, é fundamental. Não apenas para ver a evolução dos sintomas e portanto da doença, mas também como apoio emocional. Eu mesma tive covid, e poder contar com o meu médico me trouxe muita tranquilidade. Pois a Covid não dá apenas sintomas físicos, mas o “estar com covid” também trás medos, inseguranças, angustia, ansiedade, que precisam de apoio e suporte. Muitas vezes ouço do meu paciente que ouvir a minha voz, foi o melhor remédio do dia.

Graças a Deus, TODOS os pacientes que atendi com Covid até agora, evoluiram para a cura, e os poucos que precisaram de internação, ficaram em quarto/enfermaria , não precisaram entubação/ uti, e tiveram alta com menos de 1 semana. Isto me gratifica muito. Me mostrando  que Diagnóstico e tratamento precoce, acompanhamento e apoio emocional, faz toda diferença.

Me coloco a disposição para atender e acompanhar  você  e/ou seus familiares neste momento tão crítico, não apenas relacionado a pandemia, mas cuidar da sua saúde como um todo, afinal ela é nosso bem mais precioso. 

Diabetes

O diabetes é considerado uma pandemia desde 1940, isto é, uma epidemia amplamente disseminada que afeta o mundo inteiro. Estima-se que mais de 250 milhões de pessoas têm diabetes e, que nos próximos 20 anos, este número deva chegar a 380 milhões.

No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, cerca de 10 milhões de pessoas são portadoras da doença e 500 novos casos são diagnosticados a cada dia.

Embora exista uma predisposição genética para desenvolver o diabetes, as verdadeiras causas estão no estilo de vida estressante e na alimentação totalmente equivocada dos dias atuais, rica em carboidratos refinados (principalmente  açúcar e  farinha branca) e  pobre em fibras e gorduras boas.

Do ponto de vista epidemiológico, o diabetes está associado ao estilo de vida ocidental e não é comum nas culturas em que se preserva a alimentação tradicional e nativa. Porém, quando estas culturas trocam sua alimentação tradicional pelos alimentos industrializados, as taxas de glicose aumentam consideravelmente e desenvolvem diabetes em um alto percentual.

Diabetes, portanto, é uma doença decorrente do nosso estilo de vida.

O diabetes vem crescendo no mundo na mesma proporção que aumenta o consumo de açúcar e carboidrato, o Brasil é o maior consumidor de açúcar do mundo percapta, e portanto com certeza será o número um em número de portadores de diabetes, por enquanto ele ocupa o terceiro lugar, os EUA e México ficam disputando entre si os primeiros lugares. 

O diabetes anda de mãos dadas com a OBESIDADE, e hoje já se fala em DIABESIDADE, pois as 2 doenças estão intimamente ligadas, são como “irmãs”. Em geral a obesidade vem primeiro e depois a diabetes, mas muitas vezes começam juntas.

Não temos genética para consumir o que consumimos hoje de açúcar e carboidrato, nossa genética é a mesma dos nossos antepassados que viviam nas cavernas (Período Paleolítico). Eles eram caçadores coletores, portanto comiam vegetais, frutas/castanhas ovos e carne.

Já é comprovado pela ciência que todo animal em cativeiro que altera a alimentação que dispunha na natureza, adoece, não é diferente com a raça humana, e basta olhar em torno para ver a realidade disto.

Os povos que ficam distante da civilização e que comem como seus ancestrais, são povos saudáveis. Mas quando vem para a civilização e alteram seus hábitos alimentares, adoecem.  

Portanto para termos saúde precisamos comer o mais parecido com o que comiam nossos ancestrais.

Hipotireoidismo

É uma queda na produção dos hormônios da tireoide – a triiodotironina (T3) e a tiroxina (T4). É o distúrbio mais comum dessa glândula, e vem crescendo de forma assustadora. E no meu ver este crescimento tem muito a ver com INTOXICAÇÃO, por flúor, cloro e bromo, os alógenos do IODO.

E por quê? Porque o flúor, cloro e bromo deslocam o iodo de seu lugar e o ocupam, mas a molécula que tem o flúor, cloro e/ou bromo no lugar do iodo é DISFUNCIONAL. Os exames de dosagem de T3 e T4 muitas vezes não mostram a realidade, porque as máquinas que dosam, não distinguem as moléculas certas (com iodo) das disfuncionais com flúor, cloro ou bromo.

Então você pode ter um exame de T3 e T4 normal, mas ainda assim estar com Hipotireoidismo. Os sintomas clínicos são sempre os mais importantes e devem ser considerados SEMPRE, mesmo que os exames estejam normais.

Outra causa do Hipotireoidismo é a Tireoidite de Hashimoto, uma doença auto imune que como toda doença auto imune, começa no INTESTINO. (leia o artigo “Permeabilidade intestinal”)

Os sintomas de hipotireoidismo são:   Sonolência, ganho de peso e dificuldade para eliminar, cansaço, alterações no humor, falhas na memória, pele seca, intestino preso, unhas fracas, queda de cabelo, dores musculares, pés e mãos gelados, sensação de frio excessivo, anemia, alteração na libido, menstruação irregular, desaceleração dos batimentos cardíacos, colesterol alto, e sintomas de depressão. Se você tem alguns destes sintomas mesmo com exames de T3, T4 e TSH normais você pode estar com hipotireoidismo. Um teste simples que você pode fazer em casa é verificar a temperatura basal, que é a primeira temperatura do dia, ao acordar e antes de levantar da cama. Deixe um termômetro ao lado de sua cama e ao acordar verifique a sua temperatura. Faça isto por 5 dias e depois faça a média matemática, ou seja, soma as 5 temperaturas e divide por 5. Esta média deve estar em torno de 36,5. A tireóide tem várias funções no corpo e uma delas é manter a temperatura corporal que deve ser no mínimo 36,5 (porque as enzimas corporais dependem desta temperatura para funcionarem bem).

Se você tem sintomas e a média de sua temperatura basal está abaixo de 36,5, sua tireoide está hipofuncionante, ou seja você está com hipotireoidismo. Ai é preciso verificar qual a causa e tratá-la, ou seja se a causa é auto imune, vamos tratar o intestino, se a causa é intoxicação, temos que desintoxicar e fornecer as matérias primas básicas para sua tireóide produzir o hormônio (nutrir). Apenas quando não temos respostas com estas condutas, ai sim entramos com  a reposição dos hormônios tireoidianos, mas com os bio idênticos.

As x mesmo tomando os medicamentos para hipotireoidismo, a levotiroxina sódica, um sintético da tiroxina (T4), a pessoa  pode continuar com sintomas da doença, porque o corpo precisa transformar o T4 em T3 (o T3 é que é o hormônio ativo, o T4 é um pró hormônio). Para esta transformação de T4 para T3 é preciso certas enzimas que contém Zinco e Selênio, e se estes minerais estiverem baixos, seu corpo não consegue fazer isto e transforma em T3 reverso, que é o hormônio da hibernação,  ai você não perde peso mesmo, por mais que faça  dietas rigorosas.

Como pode ver o corpo é cheio de nuances e tudo esta intercalado com tudo, uma coisa interferindo na outra. Então, não adianta simplesmente dar um remédio, é preciso ENTENDER o que esta acontecendo no corpo e resolver a verdadeira causa que esta por trás dos sintomas.

Permeabilidade Intestinal

Vamos entender o que é permeabilidade intestinal. O intestino delgado é local onde o alimento é absorvido após ser digerido e transformado em partículas muito pequenas. O tecido intestinal saudável não deixa passar para o sangue as moléculas grandes que não foram digeridas direito, mas quando existe uma inflamação provocada por certos alimentos ou parte deles, como por exemplo a gliadina (parcela não digerida do glúten), o tecido intestinal se rompe e abre “furos”, que deixam passar macroproteínas que NÃO deveriam passar normalmente.

Quando estas moléculas entram no sangue o sistema imunológico não reconhece e as considera um corpo estranho e então produz anticorpos contra elas. E ai começa todo o problema, pois vamos dizer que esta proteína seja composta por aminoácidos que vou denominar “ABCDE”, o sistema imunológico produz anti corpos “anti ABCDE”, mas ai tem alguma proteína no seu corpo que é “aBCDE”, ou seja é parecida com a macromolécula que entrou e seus anticorpos confundem e começam a atacar as duas moléculas a que entrou e a do seu próprio corpo. E assim começa a Doença Auto imune.

Antes deste conhecimento da permeabilidade intestinal, eu NUNCA entendi a doença auto imune, sempre julguei inconcebível que nosso corpo tão sábio, de repente do nada começasse a se auto agredir. Depois deste conhecimento tudo ficou mais fácil de compreender.

A Permeabilidade Intestinal é um fator imprescindível para se desenvolver Doença Auto Imune, as outras duas são: – Susceptilidade genética e  Exposição ambiental (a toxinas, e alimentos que você possa não digerir).

E a medida que aumenta sua permeabilidade intestinal, se agrava a sua doença auto imune. Assim a Doença Auto Imune começa no INTESTINO , e só tem cura se você curar o intestino. Aliás segundo HIPÓCRATES , o Pai da Medicina : “Toda doença começa no intestino”, e agora fica muito claro  entender o por que.

A Inflamação, que acabamos de ver que leva a permeabilidade intestinal,  também reduz as bactérias boas e aumenta o crescimento das bactérias ruins, desequilibrando a microbiota intestinal, isto causa gases e distensão abdominal e mais inflamação, seguindo num ciclo vicioso que só vai piorando.

Cansaço, fadiga crônica, disfunção cognitiva, gases, distensão e dor abdominal, prisão de ventre ou diarreia, insônia, variações de humor, dores de cabeça,  aumento de peso são sintomas comuns a permeabilidade intestinal. Mas se você não cuida, vai  evoluir  para alergias , erupções na pele, ansiedade, depressão e depois para doenças crônicas e degenerativas como diabetes, obesidade, demência, doenças cardíacas , doenças auto imunes e câncer.

Fatores que podem contribuir para Permeabilidade Intestinal:

– Stress: emocional e/ou metabólico

– Glúten

– Toxinas

– Excesso de Lipopolissacarideos (LPS) que em geral estão nas paredes de bactérias infecciosas

Você tem algum sintoma dos citados aqui? Tem alguma doença crônica que gostaria de resolver? Então é bom começar a olhar para o que esta comendo e o estilo de vida que esta levando. E é hora de começar a fazer mudanças.

Glúten

Dieta sem glúten é moda ou tem motivos para se falar tanto nisto ultimamente?

Bem vamos lá , grandes médicos pesquisadores e estudiosos associam o glúten a vários distúrbios e não apenas ao que ele é conhecido de provocar : a Doença Celíaca.

E o que é Doença Celíaca, é uma reação imunológica a má digestão das proteínas do trigo, centeio e cevada, cujo a principal  proteína é o glúten e que leva a uma alteração nas vilosidades intestinais, muitas vezes deixando o intestino “liso”, sem vilosidades. Então só se fecha o diagnóstico de Doença Celíaca quando se visualiza esta alteração através de biópsia.

O trigo foi modificado no final dos anos 70, para ter maior produção de grãos, e nestas alterações ele ficou com 400 vezes mais glúten do que o trigo original. Então, se você tem mais de 40 anos, o pão da sua infância era bem diferente do de agora.

Estudos nos EUA mostram que em 1970 apenas uma de cada 500 pessoas tinha Doença Celíaca, em 1980, passou a ser uma a cada 250 ,  no ano de 2000, uma a cada 100 pessoas , e  por fim em 2010,  uma a cada 50 pessoas. Se fizermos a progressão é fácil concluir que o ano que vem, 2020 teremos uma pessoa com doença celíaca a cada 25 pessoas. Então é uma realidade que a doença celíaca está crescendo.

Além disso temos a sensibilidade NÃO celíaca ao trigo (que é um número muito maior de pessoas), que pode ser uma reação a qualquer um dos componentes do trigo, ao glúten e também pode ser uma reação as LECTINAS, que causam formação de coágulos no sangue;  pode ser aos carboidratos conhecidos como FODMAPS, responsáveis pelos gases, distensão e dor abdominal, prisão de ventre e/ou diarreia.

O trigo tem também substâncias que se parecem com os benzodiazepínicos, e com a morfina, e ocupam os mesmos receptores destas drogas:  Acalmam, dão prazer e VICIAM. “É impossível comer um só” – bem diz a propaganda de certo biscoito.

A sensibilidade ao glúten podem se manifestar de inúmeras maneiras diferentes e podem ser tão severas quanto a Doença Celíaca. Mas podem ser mais leves e lentamente crescentes e você nem se dá conta.

O Glúten não é totalmente digerível pelos seres humanos. E a Gliadina, uma parcela não digerida do glúten é que provoca a permeabilidade intestinal. (leia o artigo seguinte sobre isto).

Em estudos recentes, pesquisadores concluíram que a maioria dos seres humanos desenvolvem permeabilidade intestinal quando expostos ao glúten, mesmo sem ter doença celíaca ou sensibilidade não celíaca.  E o Dr Alessio Fasano doutor em medicina na Universidade de Havard é mais incisivo  e diz:    “ O glúten causa permeabilidade intestinal em TODOS os seres Humanos”

Uma permeabilidade temporária. Felizmente nosso intestino tem grande poder reparador e se “conserta” em aproximadamente 5 horas, se você não tem sensibilidade ao glúten. Mas se você tem , pode demorar de 36 horas até 3 a 7 dias para o reparo.

Acontece que mesmo que você não tenha sensibilidade ao glúten, o seu intestino leva 5 horas pra se refazer do estrago. Mas você come um pão no café da manhã. Uma macarronada no almoço, um biscoito no lanche da tarde e uma torta de frango no jantar… Ou seja, não dá tempo do seu intestino se restaurar, e isto todos os dias… O que você imagina que acontece? Com certeza permeabilidade intestinal crescente e pior a cada dia… E os sintomas ficando cada vez maiores e você passando por inúmeros especialistas sem solução…

Bem sei o quanto é difícil tirar o trigo e glúten da alimentação, mas peço que depois deste artigo, procure ler mais sobre o assunto, e indico para começar, o livro: “Barriga de trigo” do médico americano Willian Davis. Depois tente ao menos diminuir o trigo no seu dia a dia (dê tempo para seu organismo se recompor), ou mesmo se proponha a ficar uma semana ou um mês sem glúten para ver como se sente.

Horta em Casa

Que tal uma horta em sua casa  ?

Você sabe que uma boa alimentação é imprescindível para uma boa saúde. E que verduras e legumes devem fazer parte de todas as refeições. Mas você sabe de onde vem e como são cultivados as hortaliças o que você e sua família consomem?

Para ter certeza que está comendo vegetais saudáveis e sem venenos, a forma mais prática é você mesmo cultivá-los . Sim isso mesmo, você pode ter uma horta orgânica em sua casa. Não importa o espaço que você disponha, um quintal, ou uma varanda de apartamento, existem formas de aproveitar qualquer espaço.

Uma pequena horta, horizontal ou vertical, pode suprir uma boa parte das necessidades de uma família, com garantia de qualidade e certeza que está consumindo produtos sempre frescos.

Tomate, couve, rabanete, espinafre, alface, cenoura, pepino e muitas outras hortaliças podem ser plantadas em pequenos espaços, de forma simples, e com pouco trabalho. Basta ter uma área bem iluminada que receba a luz do sol por algumas horas.

Além da qualidade do alimento, o próprio ato de plantar aquilo que você e sua família vão consumir , é terapêutico. Cultivar nos reconecta com a Natureza. Acompanhar todas as fases, da semente à colheita , vendo o desenvolvimento das plantas, nos liga novamente a nossa essência e aos ciclos da vida.  E nos possibilita ver que fazemos parte destes ciclos e da própria natureza . E isso é muito importante, principalmente para nossas crianças.

Vamos cultivar? 

Fizemos um curso dia 21/09/2019 e foi tão bem procurado e aceito que estamos com a proposta de manter cursos periódicos a cada 3 ou 4 meses. Se você tem interesse em fazer nosso curso, mande e-mail, que te avisaremos quando será o próximo.

Veja umas fotos do curso :

Farmácia Verde em casa

Você pode ter uma farmácia no seu quintal. E numa hora de necessidade basta colher e preparar seu remédio.

Está é uma vivência da minha família há anos. No nosso quintal temos mais de 60 espécies medicinais, caso alguém precise estão ali.

Se alguém tem dor abdominal colhemos o “atroveram” – Oscimum seloi, e em 15 minutos uma infusão está pronta para beber e a dor se vai em menos de 10 minutos. Se alguém tem diarreia, as folhas da goiabeira resolvem o problema.

Gripe? Temos a opção da sálvia, da alfavaca, da folha da pitangueira. Queimou ? Baba da babosa é alívio na certa. Dor muscular? A erva baleeira está sempre abundante de folhas pra nos ajudar.

Estômago doeu, uma decocção com folhas de espinheira Santa, ou infusão com algumas folhas da guaçatonga ou Flor da calêndula . Tosse ? Que tal um xarope caseiro de guaco e uma inalação com chá de sálvia?

Calores da menopausa? A amoreira está ali pra ajudar com suas folhas e ainda te dar um pique extra. O desânimo e a tristeza se instalaram ? Que tal um chá de alecrim. Sinusite? Chá de gengibre ou mesmo cúrcuma com limão.

Insônia ? Temos o capim limão, a erva cidreira , a folha de maracujá, e que tal um escalda pés de alfazema na hora de dormir? Temos tantas opções que nunca nos preocupamos.

Nossa farmácia está ali bem perto de nossas mãos. Não, não precisamos de remédio de farmácia.  Temos nossa farmácia verde no nosso quintal. Que tal fazer a sua? 

Quer aprender ? Logo estaremos fazendo um curso. 

Canabis sativa


Canabis sativa

Uma Planta complexa que vem trazendo muita polêmica. Reconhecida como Planta medicinal recentemente pela Anvisa, a Canabis já vem sendo utilizada como medicinal há mais de 5 mil anos, e pela própria homeopatia há mais de 200 anos.

Muitos a conhecem pela sua utilização recreativa e a condenam por isto. Mas é preciso esclarecer algumas coisas: A canabis possui mais de 100 substâncias já detectadas, os chamados CANABINOIDES. Destas mais de 100 substâncias, 2 delas são destacadas o THC (tetrahidrocanabinol ) e o CBD (canabidiol). O THC é a substância psicoativa que dá o “barato” e é a substância que as pessoas querem que tenha em grande proporção quando usam para fins recreativos, e é devido a esta substância que a maconha é proibida no Brasil. Mas a canabis também tem o CBD, a substância que é altamente medicinal e tem tratado e feito verdadeiros milagres em muitas doenças. E acontece também que tem muitos tipos de Canabis, conforme sua composição/proporção de THC e CBD.  Para interesse medicinal a canabis ideal é a que tem baixíssimas  doses de THC que por ser baixas não dão o “barato” e doses mais elevadas de CBD onde está o poder curativo.

Devido ao THC, muito preconceito ainda gira em torno desta planta que tem um potencial terapêutico incrível devido ao CBD. Selecionar a planta certa para extrair dela o medicamento é o início de todo o processo. Mas temos que superar nosso preconceito. Eu mesma demorei um tempo, para superar o meu e  ter coragem para aprofundar nos estudos como estou fazendo agora.

A Canabis medicinal tem ampla indicação em doenças de Parkison, Alzheimer, Autismo, convulsão, câncer, dores crônicas, enxaquecas, asma, ansiedade, depressão, caquexia, fibromialgia, insônia, apnéia do sono, doenças auto imunes, e muitas outras. Isto é possível porque o CBD atua no sistema ENDOcanabinoide.

O sistema endocanabinoide é um conjunto de receptores e enzimas que trabalham como sinalizadores entre as células e os processos do corpo. Neste sistema (batizado em homenagem à canabis, que levou à sua descoberta) é onde o óleo de CBD interage com o corpo humano. Descoberto desde os anos 80, os pesquisadores estão hoje começando a desvendar como os endocanabinoides contribuem com as principais funções do organismo.

Os endocanabinoides e seus receptores se encontram espalhados por todo o corpo, em membranas celulares do cérebro, órgãos, tecidos conjuntivos, glândulas e células do sistema imunológico. Em cada parte do organismo o sistema endocanabinoide executa tarefas diferentes. No entanto, o propósito é sempre o mesmo: a estabilização do ambiente interno independente das variações externas, ou seja homeostase.

Então é hora de refletir, é hora de repensar, deixar o preconceito de lado e procurar saber mais sobre esta medicinal maravilhosa.

A Canabis medicinal é uma realidade, é legal, pode ser prescrita e utilizada em forma de gotas para quem precisa se tratar de alguma doença que ela contempla. Está sendo cada vez mais estudada e utilizada e cada vez mais surpreende com suas ações medicinais.

Maiores informações veja links abaixo.

https://abraceesperanca.org.br

https://www.abracuca.org/

“Curando o Incurável” – Um livro que vale a pena ler

Este é um livro que vale a pena ler. Uma estória comovente onde a autora descreve sua trajetória de cura de um melanoma. Inicialmente fez uma cirurgia, mas se sentiu mutilada e quando o câncer voltou a opção foi por procurar outros caminhos de tratamento.

A cura tem uma trajetória que nem sempre é fácil, a agravação faz parte da cura e nem sempre é agradável. Sentimentos diversos se misturam,  dúvidas,   solidão, medo, a fé que oscila, o emocional que balança e por fim a vitória da vida e da saúde. Um belo relato , muito gostoso de ser lido.

Câncer tem um peso, tem um estigma, tem tratamentos duros e pesados, que não é nada fácil enfrentar. Mas a boa noticia é que tem remissão, tem tratamentos naturais como este que a autora fez, “Terapia de Gerson” , uma terapia a base de alimentação e desintoxicação. Uma esperança, uma luz no fim do túnel.

Estamos com os últimos exemplares da ultima edição brasileira. Entre em contato se quiser adquirir : (11) 97508-5437

Atendimento em São Paulo – Capital

Estarei atendendo na Capital , na Rua Domingos de Morais, 2262 Conjunto 5 -segundo andar -Vila Mariana – São Paulo (Entre o shopping / metrô Sta Cruz e a Av Sena Madureira). Agendar no número : 11 97508-5437 – Aguardo você!